domingo, 10 de julho de 2016

Moto e paixão, como tudo começou

Meados dos anos 90, quando comecei a frequentar a faculdade senti a necessidade de utilizar um transporte que facilitasse um pouco a correria do dia a dia. Estava cansada de usar transporte público e principalmente  de depender de carona alheia. A minha carta de motorista tirei em 1992 mas não tive apoio para dirigir . A habilitação de moto tirei em 1998 quando tinha comprado uma Dream da Honda semi nova, andava com ela pelo meu bairro enquanto a habilitação oficial não vinha. Uma colega que trabalhou comigo na prefeitura de Diadema tinha uma Dream azul, de vez em quando a via pilotando pra lá e pra cá, fiquei animada. Adquiri a minha Dream vermelha e com ela a minha liberdade. Odeio embreagem por isso que me identifico com esses tipos de moto com pouca cc. Em meados de 2000, quase sofri um acidente na Rudge Ramos e com ele foi embora toda a minha coragem. Voltei a dirigir o carro e desde então fiquei com essa habilidade adormecida. Porém de 2015 até agora estou tentando reviver a minha coragem pilotando a Intruder 125.  Não estou segura emocionalmente para pilotar em longas distâncias , mas estou tentando e em passos de formiguinha. Meu esposo é um grande incentivador e apoia minhas decisões. Vou devagar até readquirir  liberdade perdida.

Sugestão de reportagem sobre motos para mulheres que estão iniciando nessa aventura.
http://g1.globo.com/carros/dicas-de-motos/noticia/2014/03/veja-10-motos-para-mulheres-que-querem-comecar-pilotar.html