quarta-feira, 24 de agosto de 2011

LINHA 2- Processos Midiáticos na Cultura Audiovisual A linha se apóia no movimento de relação dos processos midiáticos com a cultura especificamente configurada pelo universo da imagem e do som, permitindo que sejam estudados os fenômenos de midiatização apenas no tipo específico de cultura que viceja no campo da comunicação audiovisual. Os objetos desta linha são os processos midiáticos situados no âmbito de suas relações com a dinâmica da cultura audiovisual.

  Disciplina obrigatória
Comunicação audiovisual e teorias do contemporâneo



                                                            Processos Midiáticos na Cultura Audiovisual 


A linha se apóia no movimento de relação dos processos midiáticos com a cultura especificamente configurada pelo universo da imagem e do som, permitindo que sejam estudados os fenômenos de midiatização apenas no tipo específico de cultura que viceja no campo da comunicação audiovisual.
Os objetos desta linha são os processos midiáticos situados no âmbito de suas relações com a dinâmica da cultura audiovisual.




Corpo Docente
André Piero Gatti
Gelson Santana Penha
Maria Ignês Carlos Magno(minha orientadora)
Sheila Schvarzman
Vicente Gosciola

A máquina do tempo

George é o cientista que inventa uma máquina do tempo e viaja para um futuro distante. No ano de 802.300, a raça humana se divide entre elois, que vivem na superfiecie da Terra, e morloks, habitantes das profundezas, que se alimentam dos elois. Conhece uma jovem eloi (Weena) e utilizando o fogo, decide libertar os elois da opressão dos morlocks. Ao voltar para o seu tempo, encontra a descrença de velhos amigos. George decide então retornar para o futuro distante e ajudar a construir a nova humanidade. Filme clássico da ficção cientifica baseado em romance de H.G. Wells. Por um lado, George expressa a profunda insatisfação do homem com a civilização burguesa imersa em guerras e mesquinhos interesses comerciais. Ao viajar pelo século XX, George observa tão-somente morte e destruição através de guerras. Na verdade, o tema da viagem pelo tempo tende a expressar, de certo modo, a fuga fantástica da tibieza do mundo burguês. É um tipo de redução das barreiras naturais (o espaço-tempo é uma forma de natureza que se impõe ao homem). Por outro lado, ao voltar para o futuro distante, o inglês George expressa o espírito colonizador do Império Britânico. Cabe a um inglês construir a nova humanidade. Ou seja, não deixa de ser sugestivo que seja um inglês o demiurgo desta nova civilização do futuro remoto.

domingo, 21 de agosto de 2011

Meu primeiro relato

Faz algum tempo que planejava montar um Blog, mas não tinha um tema bem definido. Pensava em abordar assuntos na área de tecnologia na  EDUCAÇÃO  e demais instrumentos facilitadores de aprendizagem.
A  idéia foi se aprimorando e resolvi  escrever um Blog onde possa falar um pouco sobre as minhas experiências acadêmicas e de todo processo de desenvolvimento do meu projeto de mestrado.
Atualmente estou inclusa no programa de pós-graduação EM COMUNICAÇÃO da Universidade Anhembi Morumbi, graças a um convênio firmado entre a Prefeitura de São Paulo e a Fundação Bill Cliaton.
Ainda vou estar inserida num grupo de pesquisa. A minha orientadora é a digníssima Professora Doutora Maria Ignês . Além de estar desenvolvendo um portal web didático com a finalidade de agregar conhecimento e conteúdo na área  de Informática Educativa pretendo estabelecer um ele entre a minha prática docente e a academia.
No dia 16/08/2011 às 14:30 tive um encontro marcado com os meus futuros professores e colegas de Mestrado. Entrei na sala timidamente e cumprimentei rapidamente os colegas. Em seguida resolvi sentar ao lado da minha colega Fernanda pra quebrar o gelo pois muitas coisas para serem quebradas devem partir de mim, não adianta eu querer ficar escondidinha e não ser notada, tem que ter mais atitude.
Os professores se apresentaram dizendo a sua titulação e o ramo de pesquisa , logo em seguida foram os alunos. Percebi que a maioria dos meus colegas já são professores universitários na própria instituição e de  outras instituições como a ................................ Me identifiquei com a Fernanda pois ela também é professora da rede municipal, e é uma pessoa alegre e desinibida.
 O Blog de uma certa maneira funciona como um diário ou registro dos trabalhos realizados na pesquisa e também da minha prática como professora orientadora de informática educativa.
Vou tratar diversos assuntos que estão diretamente ligados com a pesquisa, sempre aprofundando o máximo no assunto e também empregando o máximo possível de referências bibliográficas.
Segue abaixo os assuntos:
Ganho a vida como professora, lecionando desde do ano de 1993 
Espero que aproveitem as informações disponíveis no Blog.
pretendo pesquisar um máximo de referênciais bibliográficos para agregar valor possível para as informações aqui disponíveis!
Abraço a todos.

quinta-feira, 18 de agosto de 2011


Meu primeiro dia no Mestrado em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi 16/08/2011.


















terça-feira, 9 de agosto de 2011

sábado, 6 de agosto de 2011


Como ajudar a criança que sente medo de ir à escola




Com calma e muita tranquilidade. Em geral, dirigir-se à escola, é um evento agradável para as crianças pequenas. Infelizmente, para outros isso representa medo ou pânico. Os pais têm motivos suficientes de preocupação quando a criança adoece devido a tensão. Têm crianças que fingem estar doentes ou exageram os sintomas físicos para ficarem em casa e não ir à escola. Com frequência, a criança entre cinco e dez anos de idade que se comporta desta maneira, está sofrendo de um temor paralisante por ter que deixar a segurança da família e da casa. É muito difícil para os pais fazer frente a este pânico infantil, mas esses temores podem tratar-se com êxito, com ou sem ajuda profissional. Tudo dependerá do grau de temor que a criança tenha. Se os pais notam que pode ser algo passageiro, é questão de insistir em levá-lo que tudo passará.
Este medo irracional pode aparecer pela primeira vez em crianças que vão a escolas para para crianças de idade pré-escolar, sendo mais frequente nas crianças que cursam o segundo ano. A criança, em geral, queixa-se de dores de cabeça, de garganta ou do estômago, justo na hora de sair para a escola. A “enfermidade” melhora quando se permite que fique em casa, mas reaparece na manhã seguinte antes de ir à escola. Em alguns casos, a criança se nega por completo em sair de casa. O negar-se a ir a escola aparece geralmente depois de um período em que a criança tenha estado em casa em companhia da mãe, por exemplo, depois das férias, dos dias de festa, ou depois de uma breve enfermidade. 

Crianças inseguras na escola

As crianças que têm um medo irracional da escola podem sentir-se inseguras se ficam sozinhas em uma casa, e podem demonstrar um comportamento de apego aos seus pais, e inclusive se convertam na sombra de seus pais na casa. Estes medos são comuns em crianças com a chamada “desordem de ansiedade”. As crianças têm dificuldade para dormir, um medo exagerado e um temor irreal aos animais, monstros, ladrões ou do escuro.
Os efeitos potenciais a longo prazo podem ser muito sérios para uma criança com medos persistentes se não receberem atenção profissional. A criança pode desenvolver sérios problemas escolares e sociais se deixa de ir à escola e de ver seus amigos por muito tempo. Antes que isso ocorra, os pais podem ajudar seu filho levando-o a um psiquiatra de crianças e adolescentes, que trabalhará com ele no esforço de fazer regressar a criança de imedidato à escola e outras atividades diárias. Como o pânico surge ao deixar a casa, e não por estar na escola, a criança em geral estará tranquila uma vez que esteja na escola. 

Ajuda profissional

Para algumas crianças, requer-se um tratamento extensivo para determinar as causas do medo. As crianças maiores ou os adolescentes que se negam a ir à escola, sofrem em geral de uma enfermidade mais grave e com frequência requerem um tratamento ainda mais intenso. 
Em qualquer caso, o medo irracional de deixar a casa e os pais, podem ser tratados com êxito, e os pais não devem ignorar nem descartar a ajuda profissional. O médico da criança pode indicar os pais a um psiquiatra de crianças e adolescentes.
http://br.guiainfantil.com/